quinta-feira, agosto 05, 2010

Wrap Dress / Cache-couer / Vestido Envelope

O wrap dress, criado nos anos 1970 por Diane Von Furstenberg, é sinônimo de feminilidade.

A criação é antiga, lá dos anos 70, mas continua fazendo a cabeça - e o guarda-roupa - de muita gente. Numa época em que a moda ditava a igualdade entre os sexos e que o jeans era o uniforme, Diane Von Furstenberg incentivou as mulheres a explorar a feminilidade com um vestido envelope: o ‘wrap dress’. E criou, assim, um dos maiores fenômenos da moda americana.

O modelo era peça coringa e algumas mulheres chegavam a ter quatro modelos diferentes. Até 1976, ela havia vendido mais de 5 milhões de unidades - e criado um símbolo de liberdade e de poder feminino para toda uma geração.
O tempo passou, a moda mudou, e a estilista acabou perdendo o controle da própria criação. E em 1983, foi obrigada a vender a marca. Mas quando menos esperava, dez anos depois, estava relançando o modelo, que logo virou hit novamente, nas páginas da Vogue. Era a volta de um sentimento colado num vestido!
Mas o que é esse wrap dress? “É, sem dúvida, um clássico da moda feminina, uma marca registrada de Diane Von Furstenberg. É um tipo de roupa clássica, elegante, atemporal e que se adequa à vários estilos”, afirma Denise Roque, estilista da marca Cholet. A grife dela tem uma peça que inclusive é uma interpretação do modelo, na coleção verão 2009. A boa desse vestido é que, conforme lembra Denise, serve para qualquer tipo de corpo. “Ele ajusta, alonga e molda de acordo com o estilo de cada um”.Na hora de combinar o ‘wrap dress’, ela dá uma dica importante: basta escolher a cor ou a estampa adequada à ocasião e ajustá-lo para que realce as formas e valorizem os seios. “Fazer uma bela maquiagem e colocar um scarpin fashion também é uma boa dica”, diz Denise. Quanto às estampas, prefira as geométricas e as de bicho.
O melhor comprimento desse tipo de vestido é abaixo do joelho, pois a mulher fica mais alongada, podendo até colocar um cinto ou uma faixa do mesmo tecido. Mas apesar de ser um clássico - há mais de trinta anos na moda - as moderninhas também podem usá-lo. “Esse tipo de roupa realmente é atemporal”, diz Denise. “Quem quiser pode vestí-lo um pouco mais encurtado, acima do joelho, e brincar com as estampas que, nesta estação, estão bem luxuosas e discretas”, completa Heloísa.

Por Sabrina Passos (MBPress)

Esse é o Wrap Dress Luci Marçal, mas pode chamá-lo de Vestido Cache couer, envelope...rsrs



Ele é feito em algodão maquinetado ou linho branco, vem com um vestido-combinação pra não ficar transparente e com uma faixa. Mas para quem quiser pode colocar um cinto pesado ou um de couro com laço que também tá valendo muito.

Também disponível em estampas.... consulte!

Por enquanto você só o vê por aqui... em breve no site.

Querendo saber mais detalhes, e-mail me lucilimamarcal@hotmail.com

10 recadinhos:

Eneida disse...

Luci, amiga, como esse blog tá lindo!
Adoro wrap dress, acho elegantíssimo e veste bem qualquer corpo!
É democrático!
Invenção maravilhosa!
Beijo!

Tatazinha disse...

Lindo o vestido!!!! Adorei...
Bjão e tenha um lindo dia!!!!

Natália Limiro de Castro disse...

Que lindo o vestido Luci
você é realmente muito talentosa =D

beijinhos

Sandra Ju disse...

Luci,
Adorei o vestido - Parabéns!
Bjs.

Ana Paula disse...

muito lindo!

Barbara disse...

O detalhe é uma graça, ele fica elegante, ótimo pro verão.
Bjos

Dany Braga disse...

fofo!!!!! Adorei. Amiga, continua um frio de doer aqui. Mas vou tentar montar um look com a saia de moleton amanhã.....vamos ver! beijos, Dany

Mariane Martins Manso disse...

luci,
EU PRECISO desse vestido pra trabalhar!!
vc nao tá entendendo.... !!! lindo d morrer...

quero noticias suas e da mamy!!

bjs

Ana Carolina disse...

Acho bem elegante! Ontem usei desses vestidos 'cache couer' preto. Adoro!
o seu modelito tá muito, muito lindo!
bjs

Mari_ry disse...

Parabéns Luci, na sexta eu fiz 6 anos de casa Iupiiii rs.
Que Deus abençõe a sua vida de casada e muita alegria!!!

^
Luci Marçal © 2013 | Layout por Kakau com Limão | Ilustrações Desi Feldmann